A primeira etapa de um projeto arquitetônico: a definição do programa de necessidades

Integrar as diferentes necessidades dos moradores de uma casa e nortear as futuras etapas da construção são alguns dos objetivos desta fase do projeto  

Iniciar um projeto arquitetônico significa cumprir diferentes etapas que vão do desenho do projeto, a cada detalhe da obra, até chegar à construção em si. Mas  a primeira etapa, que é  o projeto, já possui várias fases. E a primeira delas é a definição do programa de necessidades. Os arquitetos modernistas são os grandes adeptos da utilização deste modelo. Mas afinal, o que significa definir um programa de necessidades?

proojeto-mudei-meu-espaço-300x171
Imagem: Talles Mello

Basicamente, nesta etapa são reunidas as necessidades sociais e práticas na vida dos moradores da futura construção – seja uma casa ou um edifício, com diferentes apartamentos. Entre as perguntas que vão fazer parte desta etapa, alguns exemplos são: O que se espera do espaço necessário da casa? Quais são as necessidades da família conforme a rotina, e até mesmo hobbies, de cada integrante? Como integrar os ambientes ao dia a dia dos moradores, e de uma maneira prática?

O programa de necessidades não deve incluir apenas a metragem e a quantidade de cômodos necessários, mas uma reflexão sobre como será o uso dos espaços conforme as preferências e hábitos de cada pessoa.

Etapas do programa de necessidades

Entre os arquitetos modernos que abordaram a definição do programa de necessidades, estão alguns renomados, como o austro-americano Richard Neutra e Louis Kahn, da Estônia. Para Kahn, por exemplo, é importante que o projetista entenda o problema (situação) inicial, para a proposição de soluções, mas não deve se restringir ao simples cumprimento de um programa de necessidades, e sim ir mais além.

plantas-programa-mudei-meu-espaço-300x200
Imagem: Gazeta Informativa

Ou seja, esta etapa não tem diretrizes fixas. A flexibilidade em um projeto é fundamental, e o processo é cíclico, envolvendo o retorno a etapas anteriores no planejamento e mudanças, conforme as necessidades. Nada é determinado a ponto de não poder ser alterado.

Um dos primeiros passos é dimensionar cada cômodo da casa conforme a atividade desenvolvida naquele espaço. De maneira simples, o que é necessário no quarto de uma menina ou menino de 10 anos, por exemplo? O cômodo deve atender às necessidades e atividades da criança, com espaço mais amplo para as brincadeiras, boa luminosidade durante o dia e restrição á luz durante a noite, proteção nas janelas e utilização de móveis e outros objetos que não sejam pontiagudos.

Projeto-Arquitetonico-mudei-meu-espaço-300x214
Imagem: Monte Sua Casa

Já uma cozinha em uma casa ou apartamento de um casal recém-casado e que trabalha o dia inteiro deverá ser diferente da cozinha de uma família que recebe amigos e parentes em casa com refeições constantes. Um projeto arquitetônico deve ser baseado nestas características de cada morador – e também dos usuários do espaço – no momento de ser planejado.

Como evitar um espaço opressor

Na definição do geógrafo Aziz Ab’Sáber, um espaço opressor é aquele que é imposto, sem consideração às características específicas de quem convive naquele espaço, sejam elas sociais ou psicológicas. Um espaço mal planejado leva a essa sensação de opressão, restrições sejam à liberdade ou à individualidade. Mais um motivo para a importância de se planejar conforme as necessidades de cada indivíduo.

Entre alguns dos aspectos que são considerados no programa, separamos alguns exemplos a seguir:

  • Aspectos humanos: Atividades funcionais para ser habitável; Relações a serem mantidas; As características físicas e necessidades dos usuários; As características fisiológicas e necessidades dos usuários; As características psicológicas e necessidades dos usuários
  • Aspectos Ambientais: Terreno e vistas; Clima; Contexto urbano; Recursos naturais; Resíduos
  • Aspectos Culturais: Histórico; Institucional; Político; Legal
  • Aspectos Tecnológicos: Materiais; Sistemas estruturais; Processos construtivos e de concepção da forma
  • Aspectos Temporais: Crescimento; Mudança; Permanência
  • Aspectos Econômicos: Financeiros; Construção; Operação; Manutenção; Energia
  • Aspectos Estéticos: Forma; Espaço; Significado
  • Aspectos de Segurança: Estrutural; Incêndio; Químico; Pessoal; Criminoso (vandalismo)

Fonte: HERSHBERGER apud (MOREIRA, Daniel de Carvalho 2007 p.86)

 

Com base nas necessidades  e no programa definido, é possível encaminhar o projeto e ter as informações fundamentais até mesmo para o orçamento, recursos e mão de obra que serão necessários. Quer saber mais sobre o passo a passo de um projeto arquitetônico? Acompanhe aqui no Mudei Meu Espaço!

 

Referências: Colégio de Arquitetos, Line Arquitetura, Revista On-Line IPOG

http://www.colegiodearquitetos.com.br/dicionario/2009/02/o-que-e-programa-de-necessidades/

http://www.linearquitetura.com.br/blog/2016/06/24/programa-de-necessidades-o-que-e-e-qual-sua-importancia/

file:///C:/Users/USER/Downloads/o-papel-do-programa-de-necessidades-no-processo-de-projeto-arquitetonico-17291313.pdf

 

 

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *